Release - ELAT

Releases Nº 1
05/09/2013

 
Primeiro filme documentário sobre raios do Brasil lança novoformato audiovisual
Todos os anos caem cerca de 50 milhões de raios no Brasil. Será que tantas descargas atmosféricas podem afetar o destino de alguém? Para responder a essa pergunta, o engenheiro Osmar Pinto Jr. – o maior pesquisador de raios do Brasil – investiga a vida de seis pessoas que, de diferentes formas, tiveram sua trajetória modificada pela ação de um raio.
O resultado está no filme documentário Fragmentos de Paixão, primeiro filme brasileiro sobre o assunto que estreia em outubro nos cinemas da rede Cinemark de todo o país. A obra apresenta a temática dos raios sob perspectiva histórica, cultural e científica, em um novo formato de divulgação audiovisual que aproxima a ciência de todas as pessoas.
O maior especialista em raios do Brasil, Osmar Pinto Jr., e a jornalista Iara Cardoso pesquisaram a fundo dados da história, da ciência e da literatura do Brasil e do exterior. Andaram de caravelas no sul da Bahia e de helicóptero no Rio de Janeiro, visitaram uma aldeia indígena em Ubatuba e leram relatos históricos de Darwin em sua visita ao Brasil, tudo para entender o impacto das descargas atmosféricas em histórias tão diferentes. A equipe levou dois meses para executar todas as tomadas, acumulando quase cem horas de filmagens.
As seis vidas foram contrastadas com a vida do Dr. Osmar e a realidade que cerca um pesquisador que é apaixonado por um fenômeno
Iara Cardoso, diretora do filme
“As seis vidas foram contrastadas com a vida do Dr. Osmar e a realidade que cerca um pesquisador que é apaixonado por um fenômeno”, explica Iara Cardoso.Com isso, o cientista deixa a posição inatingível que normalmente ocupa nos documentários para se tornar próximo do espectador.
Fragmentos de Paixão teve um processo de gravação diferente de um documentário padrão, com trabalho estético das imagens e apresentação de sequência de cenas como a utilizada no cinema de ficção, construindo os personagens e uma narrativa romanceada. Por isso foi escolhido o termo “filme documentário” para definir a obra, já que ela não se resume a entrevistas e tomadas do formato do telejornalismo. “Não quis fazer só uma grande reportagem, porque entendo que isso pode ser cansativo para 70 minutos. Procurei divulgar ciência de forma envolvente, de modo que as pessoas pudessem conhecer as seis vidas retratadas no filme e o contexto em que elas se inserem, assim como pudessem acompanhar a jornada de um cientista que busca respostas”, afirma Iara Cardoso.
A narrativa mostra como uma fração de segundo define destinos de forma completamente diferente, permeando o medo e a paixão, a tragédia e o sucesso, a guerra e a paz. Nessa jornada, fatos inusitados são revelados, mostrando a visão da ciência e da cultura sobre os raios, desde o descobrimento do Brasil até o futuro do planeta.
Entre vários momentos saborosos da história do Brasil e do mundo, estão no filme as primeiras impressões do naturalista inglês Charles Darwin sobre as tempestades tropicais, a história de uma mulher que morava em um castelo no Rio Grande do Sul e foi atingida fulminantemente por um raio, a fundação da cidade de São Paulo (que tem relação com o fenômeno) e o medo emblemático que Dom João VI tinha dos raios – fazendo-o mudar de residência quando chegou ao Brasil. O filme documentário também fala do futuro: redes elétricas inteligentes e a estimativa de que o número de dias de tempestades no Brasil deve crescer nos próximos anos.
Fragmentos de Paixão também apresenta inúmeras imagens de raios, inéditas em todo o mundo. Há sequências feitas a partir de fotos de raios, possibilitando que a movimentação das nuvens carregadas e da chuva e o impacto dos raios sejam vistos em alta definição.
O filme documentário é realizado pelo Grupo de Eletricidade Atmosférica (ELAT), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), e faz parte de um projeto de divulgação sobre os riscos que os raios trazem à população, que inclui uma cartilha educativa e exposições em São Paulo e no Rio de Janeiro. No Brasil, ocorrem anualmente 130 mortes causadas por raios e outras 500 pessoas são atingidas. O país é campeão mundial em incidência do fenômeno.
Direção
Iara Cardoso é formada em jornalismo com pós-graduação em jornalismo científico pelo Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) da Unicamp e especialização em cinema digital pela New York Film Academy (NYFA)/Universal Studios e em Jornalismo para TV Digital pelo canal NBC News/NYFA. Fragmentos de Paixão é seu primeiro longa-metragem.
Realização
O Grupo de Eletricidade Atmosférica (ELAT) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), criado em 1995, é referência mundial na área de estudos de eletricidade atmosférica. O ELAT é coordenado pelo Dr. Osmar Pinto Júnior e atua em pesquisa, prestação de serviços para a sociedade e difusão da ciência e tecnologia.
Fragmentos de Paixão - ficha técnica
Estreia nacional: 11 de outubro de 2013 em São Paulo, Rio de Janeiro, Manaus, Porto Alegre e São José dos Campos
Apresentação: Osmar Pinto Junior
Direção: Iara Cardoso
Produção: Storm Comunicação
Roteiro: Iara Cardoso
Pesquisa Histórica: Osmar Pinto Junior
Fotografia: Fábio Dourado Dantas
Efeitos Especiais: Julio César dos Santos Dias e Leonardo Reis
Montagem: Bruno Maia Cerqueira
Trilha Sonora: Cinematic Orchestra, Keith Kenniff e Tony Anderson
Duração: 70 min
Ano: 2013
País: Brasil
Gênero: Filme Documentário
Cor: Colorido
Formato da primeira cópia de exibição: DCP

HomePortal ELATINPEGrupo StormCinemarkBradesco - SegurosEletrobras - FurnasCompanhia de Transmissão de Energia Elétrica PaulistaFacebook YoutubeVimeo